Portugal

Onde passar a Passagem de Ano em Portugal

Perguntámos a alguns dos nossos colaboradores regulares quais os destinos portugueses que os surpreenderam e que recomendariam para o Réveillon

 

Parece que chegámos novamente àquela altura do ano! Se também sente que o ano passou por si a correr, então o melhor é acelerar para as tão aguardadas despedidas.

Fique a conhecer cinco das melhores experiências de Réveillon no país, através dos relatos de quem por lá passou. Desde o enorme fogo de artifício na Madeira a concertos à beira-mar em Setúbal e espetáculos de video mapping em Guimarães, tem muito por onde escolher.

Ainda não está convencido? Então fique connosco, porque iremos mostrar-lhe as melhores cidades onde passar a passagem de ano em Portugal. Quer celebre na rua ou escolha uma festa privada, deixamos-lhe também sugestões do que fazer e onde comer para que entre no Ano Novo em grande.

Passagem de Ano em Guimarães

Quis fazer da passagem de ano uma escapadinha turística, por isso decidi partir rumo a Guimarães, a cidade onde nasceu Portugal. Haverá local melhor para assistir ao nascer de um novo ano? Localizada no distrito de Braga, esta cidade histórica, cujo nome foi outrora Vimaranes, constitui o berço da nação portuguesa.

Com um centro histórico considerado Património Cultural da Humanidade e uma forte identidade cultural, Guimarães é uma das cidades a não perder em Portugal. Passar o dia a explorar todos os seus recantos foi uma forma relaxante de entrar no novo ano com as energias bem reforçadas. E posso afirmar que este Réveillon foi até hoje um dos meus favoritos!

Réveillon em Guimarães: o Plano de Daniela Monteiro

Antes da noite de Passagem de Ano

  • Castelo de Guimarães. Comecei o dia bem cedo com uma visita ao castelo medieval, um símbolo nacional irrefutável, onde nasceu o primeiro rei de Portugal.
  • Descobrir o Paço dos Duques. Aproveitando o bilhete combinado, fui de seguida conhecer o Paço dos Duques de Bragança, museu de belos salões que me fez sentir uma autêntica turista maravilhada com as façanhas do próprio país.
  • Passear. Um passeio pelas redondezas e pela Capela de São Miguel do Castelo, foram suficientes para satisfazer as minhas curiosidades históricas e para transportar a minha mente para uma versão lusófona de Game of Thrones.
  • Café e cultura. Ainda pela manhã, desfrutei de um café na esplanada no Largo da Oliveira e procurei depois um cenário mais quente e acolhedor durante uma visita ao Museu de Alberto Sampaio (que esconde jardins belíssimos). Dei uma volta pelo Largo do Toural captando os edifícios históricos a meu redor.
  • Pôr do sol vimaranense. Já ao final da tarde, de braço dado com a minha cara-metade, passeei pela Praça de São Tiago e pela Rua de Santa Maria. O Santuário da Penha acompanhou-nos durante o pôr do sol, com arrebatadoras vistas da cidade. Para lá chegar, foi preciso apanhar um teleférico que sobrevoa bem alto entre as árvores do Monte da Penha.

Jantar e celebrações de Réveillon

  • Primeiro, jantar. Para o jantar reservei uma mesa na aclamada Casa Amarela, onde saboreei uma receita de polvo à lagareiro que ainda hoje deixa saudade.
  • Vídeo e música. Depois de comer, regressámos ao Largo da Oliveira para ver o espetáculo de video mapping refletido na Torre da Igreja e assistimos depois aos concertos na Plataforma de Artes e Criatividade, um museu de arte moderna que fica a poucos passos do Largo.
  • Ouvir a orquestra. Se gosta de música clássica, pode começar o ano a ouvir a Orquestra de Guimarães no Centro Cultural Vila Flor. O concerto costuma decorrer todos os anos no dia 1 de janeiro à tarde. Para garantir o seu lugar, convém comprar os bilhetes com antecedência.

Antes de voltar para casa experimente um dos doces locais, como o Toucinho do Céu ou as Tortas de Guimarães. Recomendo especialmente as Tortas de Guimarães da Pastelaria Clarinha – dizem os locais que a receita é secreta e inigualável. Já lhe fiz crescer água na boca? Então comece já a escolher um hotel em Guimarães para o Réveillon.

Escrito por Daniela Monteiro

Hotéis em Guimarães

311 Hotéis
a partir de 25
Ver hotéis

Passagem de Ano em Viseu

Viseu é cidade antiga, romana de origem, o que já faz antever a imensidão de história que guarda por entre ruas. Com essa história, vêm também importantes monumentos e locais que apresentam a cidade ao mundo. Exemplos disso são a Igreja da Ordem Terceira de São Francisco, o Rossio, a Porta do Soar e a Catedral de Santa Maria de Viseu (a Sé da cidade).

Esta foi a razão principal que me levou a escolher Viseu para passar o ano, até porque ainda não conhecia a cidade. Hoje posso afirmar que percorrer as ruas de Viseu e testemunhar a herança romana é, sem dúvida, uma experiência especial.

O facto de Viseu ter tanto de citadino como de rural foi umas das coisas que mais me atraiu na cidade. A forma como os espaços verdes se plantam pela cidade e como, repentinamente, me deparo com murais de street art é muito peculiar e difícil de encontrar noutra cidade portuguesa.

Réveillon em Viseu: o Plano de Luísa Santos

Passagem de Ano no Hotel

  • Escolher um hotel. Para celebrar a última noite do ano, optei por ficar no Montebelo Viseu Congress Hotel, isto porque nunca tinha tido essa experiência num hotel e o programa parecia promissor.
  • Vestir a rigor e desfrutar de um manjar. De vestido brilhante e purpurinas q.b., saí do quarto em direção a um novo ano que se adivinhava, no mínimo, original. Confesso que a tarefa mais difícil da noite foi conseguir comer todos os pratos do menu que, em cima da mesa, se fez acompanhar de uma série de acessórios para assinalar as 12 badaladas. Entre confettis, máscaras (com a data do ano novo, claro está), chapéus festivos, cornetas e apitos, ganhava aquele que mais barulho fizesse.
  • … E festa! A sala ampla do hotel decorou-se de balões e motivos para receber o novo ano, numa noite divertida que incluiu não só a refeição, como uma festa privada.

Réveillon fora do hotel

  • Jantar e festa. Obviamente que as experiências de Réveillon não se esgotam em hotéis e Viseu é o sítio ideal para provar uma gastronomia única. Restaurantes como o Forno da Mimi & Rodízio Real ou A Fábrica são dois dos mais concorridos na Passagem de Ano, não só pelos menus especiais, como também pela festa que dura até de madrugada.
  • Pratos imperdíveis. Iguarias como o Rancho à Moda da Terra, a Vitela Assada à Lafões, o Arroz de Carqueja ou o Entrecosto com Chouriço e Grelos são pratos que aconselho quando se visita Viseu. Outros clássicos como o Cozido à Portuguesa ou o Cabrito Assado também fazem parte das ementas, que capricham ainda mais na altura da passagem de ano. Posso prometer que não falta vinho, passas e champanhe (espumante também vale, claro).
  • Fogo da meia-noite. Para não perder o fogo de artifício, o melhor é mesmo sair à rua, onde se pode assistir ao espetáculo pirotécnico e a concertos no largo da Feira de São Mateus.

Perca-se, como eu, pelas ruas de Viseu, mas não se esqueça de levar roupa quente, porque a temperatura nesta época do ano não se aproxima, nem de perto, dos 10 °C. No entanto, se quer ficar no quentinho, escolha um dos hotéis abaixo e prepare já a sua Passagem de Ano.

Escrito por Luísa Santos

Hotéis em Viseu

160 Hotéis
a partir de 28
Ver hotéis

Passagem de Ano em Aveiro

Orgulhosamente apelidada de “Veneza Portuguesa”, Aveiro destaca-se como uma das principais cidades daquela que é possivelmente a região mais subvalorizada do território nacional — o Centro de Portugal. Falar de Aveiro é conjurar imagens da Ria e das suas margens pitorescas, um elemento que explica a sua ligação quase milenar às atividades marítimas e a uma longa linhagem de diferentes comunidades piscatórias.

Além disso, Aveiro é também um paraíso para qualquer foodie não só pelos seus ovos moles e tripas, doces capazes de satisfazer os gulosos mais exigentes, como também pelas receitas tradicionais de terras vizinhas, desde o leitão da Mealhada aos suculentos cortes de carne Arouquesa.

Foram todos estes motivos (e mais alguns), que me levaram a aceitar o desafio de desfrutar do Réveillon em Aveiro, indiscutivelmente um dos melhores locais onde passar a passagem de ano em Portugal.

Réveillon em Aveiro: o Plano de Bruno Arcos

Antes da noite de Passagem de Ano

  • Cedo erguer. Cheguei bem cedo a Aveiro, na manhã de 31, já que queria conhecer a fundo o centro histórico, antes das inevitáveis enchentes de fim de ano;
  • Art Noveau. Deambulei pelas margens dos canais da cidade, absorvendo cada detalhe dos muitos edifícios em Art Nouveau, cujos reflexos fazem lembrar qualquer rua de Riga, bairro de Budapeste, ou arrondissement de Paris. Mas estas cornucópias, ornamentos e cores garridas pertencem mesmo às fachadas de Aveiro!
  • Passeio de moliceiro. Ainda na zona Ribeirinha, aproveitei para um breve passeio a bordo de um tradicional moliceiro, que me levou a percorrer os quatro principais canais da cidade, ganhando assim uma perspetiva bastante distinta da região.
  • Pontos de interesse imperdíveis. Finalmente, e para fechar a tarde em beleza, completei o meu breve itinerário espreitando os pontos mais importantes da cidade, como a Sé, o Museu de Aveiro, a estação de comboios e as peculiares Estátuas da Ponte.

Jantar e celebrações de Réveillon

  • Batista do Bacalhau. Para o jantar, fizemos jus à quadra com um repasto onde não podia faltar o bacalhau. A nossa escolha recaiu sobre o popularíssimo Batista do Bacalhau. O nome não deixa muito à imaginação e, afinal, de uma terra de salinas só podia sair o melhor bacalhau! A experiência não desiludiu, satisfazendo apreciadores de peixe e também os não apreciadores, que provaram o leitão da casa (eu cá acabei por experimentar os dois!);
  • Canal Central. Com as energias restabelecidas e o estômago confortado, foi então altura de me deslocar ao coração da passagem de ano em Aveiro. Agora inundado pela multidão, o Canal Central estava finalmente pronto para as boas-vindas a mais um ciclo.
  • Meia-noite em Aveiro. A meia-noite chegou e com ela eclodiram os clamores da multidão, o fogo de artifício e a música, que acompanhou um espetáculo audiovisual com imagens e cores projetadas nos edifícios circundantes. As doze badaladas marcaram ainda o início das atuações de vários DJs nacionais, um deles a bordo de um palco improvisado dentro de um barco moliceiro!
  • Para continuar a festa… Com o lento dispersar da multidão, seguimos os grupos locais de estudantes até vários bares situados na zona ribeirinha da cidade, brindando ao novo ano com cerveja artesanal no Má Ideia, antes de acabarmos a noite no clima mais intimista do temático Luxor Lounge Bar.

Após umas horas bem dormidas e um merecido descanso num dos muitos hotéis do centro de Aveiro, aproveitámos o primeiro dia de janeiro para um passeio à beira-mar na pitoresca Costa Nova. Chegámos a mergulhar? Talvez, mas isso já será uma história para outro dia… Se ficou interessado em passar o Réveillon em Aveiro, descubra alguns hotéis abaixo!

Escrito por Bruno Arcos

Hotéis em Aveiro

702 Hotéis
a partir de 20
Ver hotéis

Passagem de Ano em Setúbal

Se há cidade completa no que toca a natureza, gastronomia e animação, é Setúbal. Nos últimos anos, este antigo porto bélico, pesqueiro e industrial tem sabido recuperar e honrar o seu passado e tem hoje na zona histórica e frente ribeirinha um bonito centro para passear.

Encaixada entre as paisagens protegidas da Serra da Arrábida e do estuário do rio Sado e dona de uma das mais bonitas baías do mundo, a capital do choco frito e do peixe fresco nunca me desilude. A proximidade a Lisboa permite que volte a ela vezes sem conta. Umas vezes como porta de entrada para caminhadas na serra, outras como paragem para almoço no Leo do Petisco antes de apanhar o ferry para as praias de Troia.

No último dia do ano, decidi juntar-me aos meus amigos locais e conjugar as minhas atividades sadinas preferidas com o Fim de Ano Azul, as celebrações de passagem de ano organizadas pelo município em vários espaços na Avenida Luísa Todi e ao longo da frente ribeirinha.

Réveillon em Setúbal: o Plano de Filipa Chatillon

Antes da noite de Passagem de Ano

  • Passeio pela Serra da Arrábida. Comecei o último dia do ano com um passeio descontraído pelas praias e recantos da Serra da Arrábida. Fui até ao Portinho da Arrábida e fiz o trilho que leva à Lapa de Santa Margarida. Esta capelinha escondida numa gruta natural na falésia nunca deixa de me surpreender pelo espaço insólito e a beleza da localização.
  • Caminhada na praia. De volta à estrada principal, desci até à praia do Portinho. Daí, caminhei até à praia do Creiro, para um café e um bolo de chocolate e caramelo de lamber os dedos, com vista para a Pedra da Anixa, n’O Zeca.
  • Golfinhos de Ano Novo. De volta a Setúbal, depois de uma petiscada na Tasca do Zé Maria, embarquei, literalmente, num passeio ao estuário do Sado, em busca das aves desta reserva natural, em particular do rosa dos flamingos. Tivemos a sorte de avistar também parte da família de golfinhos roazes-corvineiros que aqui habita, enquanto saíamos do porto. Haveria melhor auspício para o ano novo?

Jantar e celebrações de Réveillon

  • Peixe para o jantar, claro. Já em modo de celebração, jantei no restaurante Novo 10. Este restaurante na Avenida Luísa Todi combina a tradição e qualidade desta que é considerada uma das regiões de melhor peixe fresco do país, com um ambiente amigável e familiar. A sua grelha é um clássico e fica em plena zona da festa.
  • Entrada no Ano Novo. Perto da meia-noite dirigi-me à Doca dos Pescadores para fazer a contagem decrescente à vista de todos e no palco um DJ já animava os presentes. Contou-se de dez a zero, distribuíram-se abraços e beijos de sorte para o novo ano e a baía de Setúbal iluminou-se em cores que se multiplicavam no reflexo dos fogos de artifício na água.
  • Concertos, concertos e mais concertos. Da Doca dos Pescadores podia ter seguido caminho até à praia da Saúde, onde estava montado outro palco com concertos, mas optei pelo da Casa dos Pescadores, ali mais perto, no Largo José Afonso. O Fim de Ano Azul, de acesso gratuito, distribui-se por estes três palcos e conta ainda com várias carrinhas de street food, para que não falte a energia para as celebrações da passagem de ano em Setúbal.
  • Café do Desassossego. Já a fechar a última noite do ano que findava (ou a primeira do que entrava), dei um pulo ao Café do Desassossego para um pouco de rock e os últimos brindes.
  • Demasiada confusão? Se preferir um ambiente mais recatado, com vista privilegiada para o fogo de artifício, o bar Roof61, no topo do Fórum Municipal Luísa Todi, organiza uma festa de Passagem de Ano com DJs convidados, a partir das 23 horas.

Para uma celebração requintada, com vista para Setúbal e uma perspetiva da margem oposta do mesmo fogo de artifício, Troia pode ser uma alternativa. No Tróia Design Hotel o evento termina às quatro da manhã e está aberto (por marcação) a hóspedes ou não hóspedes. A noite começa às 20 horas com um menu de degustação, que inclui um aperitivo à chegada, pratos, bebidas e sobremesas. Segue-se um concerto ao vivo e à meia-noite é tempo de ver o espetáculo pirotécnico. A seguir há bar aberto e ceia às 2h30.

Prefere ficar mesmo em Setúbal? Então inspire-se com a seguinte lista de hotéis.

Escrito por Filipa Chatillon

Hotéis em Setúbal

602 Hotéis
a partir de 25
Ver hotéis

Passagem de Ano no Funchal

O clima temperado ao longo do ano atrai visitantes de todas as partes do mundo àquela que é conhecida como a “pérola do Atlântico”. Conta-se que depois de descobrirem o Porto Santo, os exploradores João Gonçalves Zarco, Tristão Vaz Teixeira e Bartolomeu Perestrelo acreditavam estar no fim do mundo, já que, quando olhavam o horizonte, com densos nevoeiros, imaginavam as trevas. Afinal, a silhueta negra que avistavam era “apenas” a ilha da Madeira, a pouco mais de 50 quilómetros em linha reta, onde chegaram em 1419.

Hoje, quem se aventura a visitar a Madeira já não teme o desconhecido ou o fim do mundo mas, pelo contrário, espera encontrar um local paradisíaco onde pode escolher ver o mar, passear na serra pelas Levadas com paisagens de cortar a respiração, visitar os monumentos que enriquecem o património da cidade do Funchal, ou perder-se nas pequenas aldeias remotas no lado norte.

Foi com este espírito de descoberta que escolhi viajar até ao Funchal em dezembro, atraída pelos relatos do espetacular fogo de artifício que dá as boas-vindas ao novo ano, mas também pelas animadas festas e, claro, pela gastronomia que, apesar da ligação às raízes tradicionais portuguesas, tem iguarias muito próprias.

Réveillon no Funchal: o Plano de Fátima Ferrão

Antes da noite de Passagem de Ano

  • Caminhada exploratória à beira-mar. Cheguei uns dias antes para visitar o Funchal com calma. Comecei por uma caminhada matinal pela Avenida do Mar, onde se respira o cheiro a maresia, por entre pequenas zonas verdes e floridas e a marina cheia de embarcações de todos os tamanhos. Terminei o passeio no Forte de São Tiago, sem nunca perder o mar de vista.
  • Cidade Velha. Depois segui em direção à cidade velha. Aqui há pequenas ruas e ruelas, com restaurantes quase a cada porta, mas também lojas de artesanato e galerias de exposições. Nas portas de muitos destes edifícios há pinturas de arte urbana que vale a pena apreciar. Dei um pulo ao Madeira Story Center e fiquei a conhecer mais sobre a história da ilha, através de uma exposição interativa e cheia de desafios.
  • Passeio de teleférico. Ali bem perto apanhei o teleférico do Funchal, que permite ver a cidade de cima e ir até ao Monte. A paisagem é fantástica e a experiência é obrigatória para quem não tem vertigens! Lá em cima é possível visitar o Jardim Tropical Monte Palace.
  • Mercado dos Lavradores e as suas cores. De regresso ao centro passei pelo Mercado dos Lavradores, onde até hoje os funchalenses se abastecem de carne, peixe, fruta ou legumes. Vale a pena a visita pela animação e pelas cores da quantidade de fruta tropical disponível. Ainda no centro parei para ver a Sé, um edifício em estilo gótico que se ergue imponente no meio do casario.

Jantar e celebrações de Réveillon

  • Jantar e poncha! Para jantar, decidi experimentar o tradicional peixe-espada grelhado com banana no restaurante Casa Velha, seguido de uma poncha no Pub Number Two.
  • Ver o fogo mais famoso do país. Na noite da passagem do ano, a expectativa de ver o fogo de artifício era grande. Afinal, este é o ponto alto de quem visita a Madeira nesta altura e, felizmente, visível de toda a cidade. Eu decidi regressar à Avenida do Mar, mas também podia ter ficado pela zona do Monte e fotografar o fogo lá de cima. Sugiro também o Miradouro Pico dos Barcelos e o Miradouro das Neves ou o Lobo Marinho, o ferry que faz a travessia do Funchal para o Porto Santo.
  • Programa de passagem de ano completo. Se gosta de um programa de passagem de ano com jantar incluído, pode reservar lugar no Design Center Nini Andrade Silva, no restaurante Forte, no Armazém do Sal ou no restaurante do Madeira Story Center.
  • Réveillon em espaços clássicos da noite madeirense. Alguns dos locais mais emblemáticos para dar um pézinho de dança depois do fogo de artifício são a discoteca do Casino da Madeira e a Discoteca Vespas.

Seja qual for a festa que escolha, não se esqueça que, no Funchal, esta noite é de gala. Todos se vestem a rigor, nem que seja para festejar na rua. Por isso, escolha agora o seu hotel e depois já só tem que pensar no traje da noite mais elegante do ano.

Escrito por Fátima Ferrão

Ainda não encontrou o que procura? Leia o nosso derradeiro Guia da Passagem de Ano

Europa

Hotéis e destinos fantásticos para passar o Réveillon

Hotéis em Funchal

3390 Hotéis
a partir de 15
Ver hotéis

Comentários